O qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem, Maria

Você já ouviu a expressão “me belisca para ver se é verdade”? Um presente que mesmo sendo prometido, você não acreditava que receberia? Viajando com meus filhos nas férias, lembro-me de uma programação que fora prometida antes mesmo de sairmos de Brasília. Quando chegamos, meu filho mais velho, que até então estava cético, não se aguentava de felicidade ao chegar no local que tanto esperávamos. 

Nessa parte do Credo Apostólico, estamos proclamando a nossa fé em Jesus Cristo, o Filho unigênito, nosso Senhor. O nosso Salvador é um presente que foi prometido lá no Éden, mesmo em meio à sentença que recebemos após o pecado do primeiro Adão. Lembremos de Gênesis 3.15 em que Deus afirmou que Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar. Esse presente, concebido de forma sobrenatural, trouxe-nos a paz entre nós e Deus Pai, Todo-Poderoso, Criador do céu e da terra. 

Essa dádiva de Deus faz-nos lembrar e regozijar da maravilhosa passagem de Isaías que, no capítulo 52, versículos 9 e 10, diz: Rompei em júbilo, exultai à uma, ó ruínas de Jerusalém; porque o SENHOR consolou o seu povo, remiu a Jerusalém. O SENHOR desnudou o seu santo braço à vista de todas as nações; e todos os confins da terra verão a salvação do nosso Deus.

Outra característica dessa afirmativa do credo é que ao nascer de uma virgem, Maria, acreditamos que são verdades que de fato ocorreram, ou seja, é uma afirmação histórica da nossa fé. Se não vemos como factual o pecado inicial no Jardim do Éden ou o nascimento sobrenatural de Cristo, como alguns “pregadores” anunciam, não há redenção e a nossa fé não é calcada no Jesus prometido. Uma heresia que ocorreu no passado é a afirmação que Cristo não era humano. Conforme o docetismo, Jesus não era de carne e osso, apenas parecia ser humano. João, ao contrário, afirma em seu evangelho que o Verbo se fez carne e habitou entre nós (João 1.14).

A primeira aplicação que podemos tirar dessas duas frases do credo é a fidelidade e o amor de nosso Deus. Ele cumpriu sua promessa em Cristo nos concedendo a sua paz, por isso devemos nos alegrar por esse presente maravilhoso. Outro ponto é que ao reconhecermos que Cristo é 100% homem e 100% Deus, anunciamos que o segundo Adão, enviado pelo Pai, cumpriu toda a Lei à risca, sem transgredi-la. Deus, imputando a ele a nossa culpa e o nosso pecado, fomos considerados justos e feitos filhos de Deus.

Oremos: Querido Pai, agradecemos pelo maravilhoso presente que é Cristo Jesus, o cumprimento da promessa que nos trouxe a paz contigo. Louvamos ao Senhor pela Sua fidelidade e Seu amor. Pedimos um coração grato e que nos ensine a crer e aplicar as tuas verdades em nossa vida. Amém.